quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Jera - Colheita - A Terra - A Semeadura






Atualmente , entender que sempre arcarmos com todas as consequências sobre nossos atos, canta dentro de minha cabeça constantemente, por isso, tive uma vontade urgente em escrever sobre Jera, esta sábia Runa - é a décima segunda runa do alfabeto Futhark.

Tudo, exatamente tudo o que plantamos é o que colhemos. Muita atenção a toda e qualquer palavra dita ou escrita, gesto, pensamento ou ato, tudo terá seu retorno, tudo, se não duplicado, triplicado. Os druidas nada escreviam, pois acreditavam que o poder da palavra registrada era grande demais. Havemos, pois, de ter responsabilidade durante toda estadia na terra, ela nos cobrará.

Jera é o nome de uma Runa que fala disso: justiça.
O que for semeado, sua colheita será justa.
Quando entendemos os ciclos, entendemos as leis cósmicas:
Arar a terra, limpa de velhas raízes, semear bons frutos,
regar, cultivar cada broto, como sendo presentes dos deuses, reverenciando e sempre agradecendo a nova vida, que se tornará alimento por todo um período.

Diferente da semente plantada no ventre, acolhida e preservada, Jera
é lançada, espalhada ao vento. Seu regente é Mercúrio, deus do comércio para os romanos; Hermes, na mitologoia grega, filho de Zeus, mensageiro dos deuses, guia dos herois aventureiros e viajantes perdidos, padroeiro dos jogadores e oradores.

Astrologicamente, Mercúrio é associado ao intelecto, sistema nervoso,percepção mental. O impulso de Mercúrio é adquirir conhecimento e comunicá-lo aos outros, como a energia de Oxossi, na Umbanda.
O deus nórdico equivalente é Odin, guardião do conhecimento secreto
das runas.

Odin é considerado o Senhor da Morte, escolhe somente os guerreiros mais nobres para ir para o Valhalah - "Casa dos Escolhidos"- uma recompensa pelos bons atos.



Ha um antigo poema anglo-saxão que traz a seguinte interpretação desta runa:
"A colheita é a esperança de todos,

quando os deuses permitem à terra

dar seu brilhante fruto

ao rico e ao pobre . "

 
Boa semeadura a todos.
Paz e Luz

Carmo Tavares